Bots jurídicos: o que são e quais os benefícios

By Juliana Monaco
02 jan 2019
Inteligência Artificial, Semantix Aijus

Com mais de 200 milhões de processos judiciais ativos e mais de 1 milhão de advogados, o Brasil tornou-se o ambiente perfeito para a popularização dos bots jurídicos – ou lawbots. Isso se deve, principalmente, ao aumento significativo da utilização de plataformas de gestão online pelos grandes departamentos jurídicos e pela proliferação dos tribunais eletrônicos. A Gartner prevê que, até 2020, mais de 85% das interações com clientes serão realizadas por meio da tecnologia e sem a intervenção humana.

O que são bots jurídicos?

Os chamados lawbots, ou bots jurídicos, são softwares e programas desenvolvidos com técnicas de Inteligência Artificial para automatizar procedimentos no âmbito jurídico, de maneira semelhante a um robô. As tarefas variam desde o uso de chatbots até pesquisas inteligentes. Normalmente, não é necessária a supervisão de um profissional do ramo.

Além de buscar movimentações de processos, os robôs conseguem ajudar em novas ações, em processos eletrônicos, na inserção de dados em sistemas jurídicos, na auditoria de processos, detecção de padrões de fraudes etc.

Leia também: Advocacia 4.0: como a quarta revolução industrial impacta a área jurídica

Quais os benefícios de utilizar bots jurídicos?

A utilização de bots jurídicos não é novidade. À medida que muitos tribunais e órgãos públicos passaram a disponibilizar informações processuais na internet, as empresas de tecnologia começaram a fazer aplicações para acessá-las. Desse modo, diversos softwares de gestão disponibilizam as movimentações processuais de forma automática, permitindo um acompanhamento em tempo real.

O uso de chatbots de modo geral torna o atendimento ao cliente imediatamente escalável, pois é capaz de lidar com múltiplas interações simultaneamente. À medida que a IA os torna mais sofisticados, alguns chatbots são treinados para identificar consultas mais complexas e encaminhá-las para um operador humano, garantindo feedbacks e um enorme ganho de tempo.

A maioria dos grandes demandantes do Brasil – com mais de 100 mil processos ativos – atualmente utilizam plataformas ou sistemas de gestão de seu contencioso. Além disso, essas empresas disponibilizam aos escritórios de advocacia o acesso aos seus processos, mas dificilmente se preocupam em oferecer um ambiente eficiente para realizar a troca de informações.

Leia também: Características do contencioso de massa incentivam a adoção de tecnologias

Desse modo, os lawbots são importantes para integrar o sistema de gestão e o departamento jurídico, evitando erros, atrasos e reclamações de ambos os lados. Grande parte dos bots atuais são usados para a integração entre os portais jurídicos de bancos, seguradoras, empresas de telefonia, entre outras, e seus próprios escritórios de advocacia.

Bots vs profissionais jurídicos

O McKinsey Global Institute estima que quase 1/4 do trabalho de um advogado pode ser automatizado com o uso da IA, incluindo os bots. No entanto, a tecnologia não é inimiga dos profissionais jurídicos, mas uma aliada, uma vez que ela substitui o trabalho de menor valor agregado e garante um tempo precioso para a realização de tarefas mais consistentes.

De acordo com a pesquisa “Tecnologia, Profissões e Ensino Jurídico”, realizada pelo Centro de Ensino e Pesquisa e Inovação (CEPI) da escola de Direito da FGV-SP, 60% dos advogados considera muito importante o uso de softwares na área jurídica. Portanto, é imprescindível a preparação para a inovação tecnológica na área jurídica, exigindo que os profissionais estejam atentos e receptivos em relação às tendências do mercado.

Fontes:

https://en.wikipedia.org/wiki/Lawbot
https://www.artificiallawyer.com/2016/08/29/legal-bots-a-partners-little-helper/
https://www.preambulo.com.br/robos-juridicos-o-que-sao-como-funcionam-como-ter-o-seu-2/
https://www.lawgazette.co.uk/features/legal-technology-the-rise-of-the-chatbots/5060310.article